Arquivo do Autor: Daya Lima

Trinta

Eu sempre achei que quando eu chegasse nos 30 anos eu ia ser muito adulta. E talvez por isso eu sempre tive meio que medo de chegar aos 30, porque eu nunca me sentia perto de toda essa “adultisse”.

Sempre fui muito molecona, brinquei até mais do que se espera de uma criança, não levava as coisas muito a sério para o desespero dos meus pais. Pra mim crescer envolvia muito mais responsabilidade do que diversão. Achava que quando virasse oficialmente adulta, ia virar um desses adultos chatos, sérios. Mas não é bem assim. A responsabilidade vem – junto com os boletos pra pagar-, mas vem também a liberdade, as escolhas, a maturidade… ah, como é bom olhar pra trás e ver o quanto mudei.

A vida pode ser divertida, e até mais do que era. É bem clichê mas é verdade: a idade tá na nossa cabeça. Só é limitante quando a gente deixa ser, só é pesada quando a gente coloca esse peso. Tá certo que o corpo cede algumas vezes, mas é o preço a se pagar.

O que seria um desespero pra mim há 10 anos atrás, estar com 30 mais perdida do que quando vim ao mundo, sem filhos, sem trabalho, hoje é um dos motivos da minha alegria. Provavelmente daqui há 10 anos vou olhar pra trás e me sentir uma idiota, e isso é ótimo.

Sigo na vida correndo atrás do meu sonho de criança: ser o pato Donald.

Tá frio lá fora

Ta frio lá fora.
As folhas começaram a cair.

Você sabia que as árvores hibernam no outono/inverno e por isso as folhas caem?
E no processo de hibernação, a árvore para de fazer fotossíntese e as folhas tomam de volta suas cores originais… marrom, amarelo, laranja, roxo, bordô…
E enquanto hiberna, a árvore se protege.
Ela poupa energias, se protege dos desgastes, do tempo.
Ela tá lá viva, quietinha, esperando tudo  melhorar pra voltar a exibir suas folhas verdes, flores e frutos.

As vezes a gente tem que olhar pra dentro.
Cuidar da nossa planta interna.
Tirar tempo para as coisas, para amadurecer as ideias, os pensamentos.
As vezes tudo tem que hibernar até tomar forma, até florescer.

Tá frio lá fora.
As folhas vão caindo cada vez mais.
As cores vão se revelando cada vez mais.
Tudo vai ficando alaranjado, nesse tom de sépia.
Cada momento tem sua particularidade, seu brilho e sua importância.

As vezes esse é o momento.

Intensidade

Chega, abre a porta, deita e dorme.
Hoje aqui é seu lar.

Aqui comigo.
Temos pouco tempo.
Então não se incomode em dizer se lhe faltar algo.

Não quero nada em troca.
Ou melhor, quero sim.
Quero trocar carinhos, lembranças e histórias.
Quero ganhar seu colo, seu abraço.

Não se preocupe que eu preparo o café da manhã.
Hoje eu sou a anfitriã.
Quero que você se sinta em casa.
E que se sinta a vontade pra voltar.

A gente é tão diferente agora.
Mas o nosso passado é o que nos une.
É o que faz você vir aqui hoje.
É o que faz eu sentir sua falta.

Me preocupo em te mostrar que estou bem.
Me preocupo em colecionar sorrisos nossos.
Me preocupo em saber quanto vai demorar pra você voltar.
Mas fico feliz que você veio.

Vou lembrar do cheiro que você deixou por aqui.
E das pequenas coisas que fizemos.
Dos passeios despretensiosos.
Das danças no meio da rua.
Da nossa cumplicidade.

Mas espero você não muito longe de hoje
Pra uma próxima visita.
Porque meu peito esvazia muito rápido quando você está longe.

Hoje é sobre mim

Hoje vai ser sobre mim
Sobre as minhas vontades, minhas histórias e meus desabafos
Hoje vai prevalecer os meus gostos, minha música, minha dança
Hoje é o meu dia
O dia de me satisfazer, de sorrir pro sol
Nada de carregar o mundo das costas
Hoje ando sem mochila, sem pesos, sem preocupações
Hoje o dia é sobre mim
Sobre me fazer bem, sobre me sentir bem
Olhar pra onde eu gosto de olhar
Sentir o que eu quero sentir
Hoje e sobre as minhas futilidades
Sobre as minhas necessidades
É sobre o que eu quero
Ou talvez o que eu ache o que eu quero
São as minhas incertezas
Minhas inseguranças
Meu próprio umbigo
Minha liberdade

Sinto muito
Mas hoje o dia é só sobre mim
Precisa ser só sobre mim.

Vamos colocar a mão na consciência

Sem chocolates, flores e jantares.
O dia de hoje que é sempre lembrado com mimos vazios e estéticos deve ser um dia pra pelo menos levar a reflexão. O dia de hoje é um bom dia pra tirar a mão do celular e colocar a mão na consciência.  Não queremos mimos, não queremos uma ajudinha em casa porque é dia das mulheres. Queremos igualdade, queremos respeito. Sair na rua sozinha sem medo; medo de ser assediada, medo de não voltar pra casa. E QUEREMOS TODOS OS DIAS.

E, para todos nós, valorize as mulheres a sua volta. Amigas, mães, tias, colegas de trabalho. Não desmereça o trabalho de alguém só porque é mulher. Não minimize a mulher falando de seu corpo ou seu ciclo menstrual. As mulheres tem que dar duas, três, mil vezes mais duro pra ser reconhecida, pra ter voz e se você também é mulher, você sabe do que eu to falando. Então valorize sempre que puder.
Apoie as mulheres. Não existe esse negócio de rivalidade feminina e se pensarmos bem essa inimizade feminina só existe porque “a sociedade” diz que existe. Vamos nos apoiar e lembrar que a nossa luta é a mesma, estamos do mesmo lado e melhor será quanto mais juntas estivermos. Já é difícil com todo o machismo nos homens, com mulheres também fechando a porta, tudo se torna mais difícil. Apóie, ouça, entenda.
Inspire-se com outras mulheres. Somos rodeadas de histórias e inspirações sempre masculinas. Tem Einstein, Darwin, Freud, Pitágoras… mas no longo da nossa vida a gente poucas vezes escuta sobre quantas mulheres incríveis passaram pela história também. Quantas mulheres na história você conhece? Procure, conheça e conte pra outras mulheres – e outros homens também- para as crianças. Deixa as mulheres inspirarem.

Que tenhamos mais empatia, que passamos a admirar cada vez mais as mulheres – não pelo seu corpo ou beleza e sim pelo que somos -, que sejamos cada vez mais respeitadas.

Tamo juntas <3