Arquivo da categoria: Um textão e mais nada

Diferentemente do pessoal que compartilha as ideias no Facebook, eu vou colocar alguns textões por aqui, alguns pensamentos e algumas ideias.

Desejos para 2018

se despenteie
se conheça
faz aquela maquiagem que você sempre quis
e desmaqueia tudo depois

fique nua, ande pela casa como se fosse sua passarela
visite suas curvas
passeie pelos seus traços 
seus sinais de nascença
suas pintas, sardas

descubra seus gostos
o que te faz sexy
põe um moletom largado
põe a roupa que se sentir a vontade
sinta-se a vontade com você mesmo

se olhe no espelho
faça um carão
jogue o cabelo
tire fotos

se descubra
se permita.

Mulheres de Berlim

Não foi só uma vez.

Quando alguns amigos vieram nos visitar em Berlim, ouvi comentários sobre as mulheres daqui. Ao contrário do que se pensa, não são elogios. São sempre comentários do tipo “Como as mulheres daqui são desarrumadas”.

Berlim é uma cidade onde as pessoas prezam pelo conforto, sejam elas homens ou mulheres. Para se locomover, as pessoas utilizam transporte público, bicicleta ou fazem o percurso a pé, então as roupas confortáveis ajudam – e muito – nessa locomoção. As mulheres vão para bares e baladas normalmente como estão vestida para o dia dia. Sem salto e muitas vezes sem maquiagem e uma “roupa apropriada”.

Há cinco anos atrás meu guarda roupa era completamente outro. Tinha mais de 20 vestidos – compridos, curtos, mangas longas, regatas, floridos…- quase não tinha jeans e roupas confortáveis só as de academia e o pijama. O mesmo acontecia com os sapatos. Por anos só comprei sapatos de salto e que normalmente eram desconfortáveis, algumas sapatilhas sociais e um tênis raramente usado. Lembro de sempre estar com os pés moídos dos sapatos e de raramente me sentir confortável. Os cabelos sempre tinham que estar alisados e prontos, só saia de maquiagem e fazia as unhas toda a semana.

Quando as pessoas vem e falam que as berlinenses não são arrumadas eu tenho outra visão. Vejo que as mulheres daqui são muito mais livres. Elas buscam o conforto, a praticidade do dia dia e estão sempre muito a vontade. As mulheres não estão de salto alto o tempo todo, as unhas não estão pintadas sempre, a cara vezes tem maquiagem vezes não, e ninguém se importa. As mulheres continuam se divertindo como todas as outras, indo a bares, festas, trabalhando, vivendo.

E estar aqui me fez me libertar de muitas dessas coisas também.
Hoje sinto que vivo sem essa pressão de estar sempre “pronta”, seja lá o que isso signifique. Não é errado usar saltos, alisar o cabelo ou se arrumar.
Errado é fazer isso por uma obrigação que nem se sabe da onde veio (na verdade a gente sabe sim). Saber que não são as unhas feitas, os cabelos prontos e certo estilo de roupas que vão me impedir de ser eu mesma e muito menos de fazer o que eu quero. Minha relação com meu guarda roupa mudou, minha relação com minha aparência mudou e hoje já me sinto uma mulher de Berlim.

Mais um aprendizado…

Berlim me trouxe várias oportunidades pessoais e uma delas foi passar a falar inglês. Fiz mil anos de curso, nas viagens para fora do Brasil sempre falava um pouco, mas quando não se pratica, sabe como é, né!? Pedir comidas, entender textos, assistir filmes e séries é completamente diferente de levar uma conversa por algumas horas.

E sempre carreguei essa insegurança comigo: na hora me faltar vocabulário, falar algumas besteiras, verbos e conjugações erradas… enfim. Daí que certo dia conversando com uma berlinense, iniciei a conversa com a frase padrão: “Sorry for my bad english” e tomei um belo tapa na cara.

“A partir do momento que você consegue se comunicar com alguém, quando você consegue estabelecer uma conversa, você não pode dizer que seu inglês ou qualquer outra língua é ruim.”

Sim, ela me disse isso e depois de ouvir essa bela lição, um  novo mundo se abriu pra mim: o da auto confiança. Essa é só uma pequena parte de mim que fica se sabotando o tempo todo; se escondendo, com vergonha de aparecer.
Mas em que isso ajuda, não é mesmo?

Quando a gente acredita na gente, um novo mundo se abre. Quando se entende que não precisamos esperar o momento perfeito ou a perfeição para fazer as coisas, é simplesmente dar o primeiro passo e lidar com as dificuldades conforme for aparecendo.
E que tudo vai ficar bem.

Já dizia a minha avó: quem não arrisca, não petisca (e provavelmente sua vó dizia o mesmo). E por não me arriscar, muitas vezes fiquei só no “e se”. Parece besteira, isso tudo só por conta do inglês? Sim. É uma coisa pequena, mas eu precisava desse tapa, desse pontapé, desse novo angulo para conseguir ver as coisas de um novo jeito.
Pra me permitir mais.
Pra arriscar.

Tudo tá perfeito agora? Claro que não.
Mas são os pequenos passos, não é mesmo…

Aprendi com a natureza

Quando mudamos resolvi começar uma horta. Nunca tive mãos boas para plantas; as poucas vezes que tentei plantar ou manter alguma coisa, morria em menos de uma semana. Mas o que é a vida se não persistir.

Plantei algumas sementes, de tomates, de salsinha e mais alguma coisa que me lembro o que era. De nada adiantava minha ansiedade, tive que cuidar e esperar. As vezes parecia que não ia dar certo. Tentei deixar pra lá, deixar tudo morrer e desistir da ideia. Mas quando via as flores aparecendo e tudo se formando, voltava a cuidar, podar, dar água, adubar. Ficava pensando que talvez o solo não estivesse tão pronto para todas aquelas sementes, ou talvez estava regando demais ou de menos.

Com o tempo, alguns frutos começaram a aparecer. Pra tudo continuar crescendo, tive que abrir mão de alguns pés para dar espaço para as demais crescerem. Foi preciso dar estrutura para que os pés não despencassem e morressem. Alguns caíram com o peso dos frutos, mas ainda assim continuaram crescendo e amadurecendo. E com o passar dos dias, os tomates foram amadurecendo, alguns caindo do pé ainda verde, mas a maioria está pronto para comer.

Daí passei a entender a vida pelo ponto de vista da natureza. Quando olho para natureza e entendo que faço parte dela, entendo que tudo se transforma no seu tempo.

lá lá lá lá

Ouça a voz que vem de dentro
Aquela vozinha que fora esquecida e deixada de lado
Diante de todas as vontades que o mundo lhe forçou
Diante de um ego cada vez mais alimentado

Ela enfraqueceu e se escondeu
Mas ainda está aí dentro

Cale as vozes que vem de fora
Que não são parte de você
Ou ao menos não são parte do seu eu sincero

Escuta a vozinha
Ainda que tímida, escondida
Aumenta o som dela, dê coragem
Deixa essa voz sair
Deixa ela aparecer
Te conhecer, viver o mundo

Essa vozinha pode te mostrar um mundo
que você nunca imaginou conhecer