Arquivo da categoria: Um lugar e mais nada

Para viagens de pequenas ou longas distâncias, de 1 dia ou 1 ano… Algumas fotos, ideias, inspirações e dicas por onde passei.

Berlim

berlim fériasSegunda parada em Berlim. Chegamos lá e já era primavera, mas o clima estava bem invernal. Pegamos máxima de 8 graus e mínima de 2, mas a sensação térmica era de morte, dor e sofrimento. Aprendi a não reclamar do frio do Brasil, pois não é nada comparado ao frio de lá – e quem dirá em países mais gelados.

Dica suprema: se você for comprar casacos, compre por lá, pois os frios de lá e o de cá são diferentes, então vale o investimento. Ah, vale comprar uma daquelas touquinhas bemm turistonas, pois elas esquentam a cabeça e orelha e ajudam muito!

Mas tirando o detalhe do frio, Berlim tem suas belezas, suas comidas deliciosas e claro, cervejas. Apesar de ser capital, Berlim é relativamente pequeno. A cidade é toda plana e conseguimos fazer quase tudo a pé. Vou deixar o mapa dos pontos turísticos, comes e bebes:

Como eu fiz no outro post, não vou falar sobre os pontos turísticos que todo mundo fala, mas falar do que mais gostei com algumas dicas:

  1. Joelho de porco! Uma das melhores refeições que comemos nessa viagem. Fomos em um bar bem tradicional alemão e deixo a dica aqui, porque não encontramos em outro lugar. O lugar é o Tiergartenquelle. Além de cervejas especiais, eles servem pratos típicos e com o preço bem em conta.
  2. Ainda sobre comida, em todos os lugares se encontra currywurst com batata ou pão. Normalmente é baratinho e comida de rua – pra pegar e ir comendo – e sempre é uma delicia!
  3. As cervejas no mercado são bem baratas – pagamos menos de 1 euro – e nos bares saem por volta de 4 euros. A temperatura é praticamente ambiente, ou seja, não é servida geladíssima que nem no Brasil, mas para a temperatura ambiente de lá, é servida no ponto!
  4. E por falar em cerveja, fomos em um bar de cervejas Belgas que tem um clima bem gostoso – e bem adulto – e cervejas com preços bem em conta (claro que se comparado ao Brasil). O bar é o Herman Belgian Bar e é uma portinha bem escondida, mas dá pra saber que se chegou lá.
  5. Quem for com tempo, aproveita pra passear pelo parque Tiergarten. É um parque gigante e bem bonito. Mas faça isso no calor, pois o rio passa dentro dele, tem muito vento e frio por lá.
  6. Vá no Markt Halle Neun. Fica próximo a East Side Gallery, e é super gostosinho. Várias barraquinhas com comidas, bebidas – estilo os food trucks aqui de SP – e várias mesinhas. Dá pra passar algumas horas por lá.
  7. Coma brezel – que são os pretzel salgadinhos. Parece um pãozinho e em muitos lugares vende aberto com manteiga, queijo ou qualquer coisa do tipo.
  8.  Comemos um hambúrguer bem gostoso, e também acho que vale a indicação. Burgermeister é uma hamburgueria barata e saborosa e fica embaixo da ponte. Tem várias opções de lanches, todos feitos na hora, além de batata e alguns molhos especiais.
  9. Se tiver dias o suficiente, vá até Potsdam. É uma cidade do lado de Berlim e dá pra chegar de trem. Além de ser perto, é uma cidade super bonitinha e vale passar uma tarde no parque e nas ruas de lá.

E agora, surra de fotos, porque tem muita foto pra ser compartilhada ainda:

Berlim é uma cidade grande, com um transporte incrível. A história é muito pesada e muito presente, e acaba carregando o clima da cidade. Mas traz consigo também muita comida boa e muitas cervejas, que amamos <3 Ela só não foi muito com a nossa cara, pois estava muito frio quando fomos e uma semana depois aumentou 10 graus… Mas mesmo assim foi uma experiência incrível, lidando com uma outra cultura, uma língua dificílima e uma temperatura diferente.

Uma atualização no post: esqueci de mencionar uma coisa que adoramos, mas acabei passando batido. A hospedagem que ficamos em Berlim foi excepcional. Ficamos hospedados no Circus Hostel (que tem quartos de vários valores e vários tipos: compartilhado, casal com banheiro compartilhado, apartamentos) que tem uma localização excelente, perto de vários pontos turísticos, bares e restaurantes, além dos metros e trans que cercam a região. Além disso, o Circus tem um bar e produzem sua própria cerveja. O bar super animado, sempre propondo alguma coisa nova (DJ’s, drinks, noites temáticas) e o clima do Hostel em geral é bem ótimo. Os banheiros compartilhados para banho tem cabine exclusiva de chuveiro, virando quase um banheiro particular, além deles alugarem toalhas por apenas 1 euro. Acho que vale a atualização porque foi um dos lugares que mais gostamos de ficar e super indico pra todo mundo que for pra Berlim.

Barcelona

Vou deixar o mapinha que fizemos e depois deixamos de lembrança pra Vani que nos recebeu pelo Airbnb.

Vou deixar o mapinha que fizemos e depois deixamos de lembrança pra Vani que nos recebeu pelo Airbnb.

Ah, Barcelona. O primeiro destino que fomos. Primeiramente, fizemos cerca de 12 horas de viagem com escala em Madri. Março na Europa é final de inverno e início de primavera – além de ser o mês com passagens mais baratas para a Europa – , o tempo não é tão frio nem tão quente, então é ótimo para viajar e caminhar bastante.

Demos um pouco de azar e pegamos a ultima semana do inverno que foi a semana mais fria. E toda a nossa roupa de frio reservada pro frio de Berlim, acabou sendo antecipada. Mas faz parte da viagem ter surpresas, afinal de contas, não dá pra planejar tudo.

Barcelona é relativamente pequena e dependendo do ponto que ficar na cidade, dá pra ver tudo a pé. Mas o transporte público cobre a cidade toda, então nã há impeditivos. Por ser uma cidade com praia, venta relativamente bem, então pros friorentos – como eu – sempre bom ter um casaquinho ou um lenço ou algo que aqueça.

Ficamos num Airbnb próximo a Passeig de Gracia (principal rua com lojas caras e muitos turistas) e a mulher que nos recebeu nos deu amor e um mapa cheio de dicas com o que fazer por lá – vou colocar na galeria.

Vou deixar aqui um mapa com os pontos turísticos, alguns lugares pra comer e beber:

Mas, claramente o post não acaba aqui, vou deixar umas dicas – ou experiências – que passamos:

1- Se puder, visite os pontos turísticos durante a semana. Parece óbvio mas não fizemos. Alguns pontos deixamos pro final de semana (como o Park Guel) e acabamos não entrando pois estava muito cheio.

2- A vida noturna é ótima e tem muito lugar pra ir. Passamos 5 dias lá e vimos agitação tanto na semana quanto no final de semana. Dá pra aproveitar muito.

3- Experimente as cavas (tipo champanhe) e vinhos, e principalmente a sangria. Já tinha tomado umas sangrias aqui e não gostava, mas as de lá são diferentes e maravilhosas! E por falar em cavas, achamos um bar de cavas Can Paixano que é excelente. Eles vendem cavas de fabricação própria e servem lanches e petiscos para quem fica por lá. O lugar enche rápido, então chegue cedo, por volta das 16-17, e os preços são bem em conta, por 2 euros se toma uma taça de cava.

20160317_174059_HDR

4- Tem um milhão de padarias pelas ruas, e é super normal pegar um pão ou um lanche e sair comendo pelas ruas. Uma delicinha!

5- Lá, depois do almoço eles tiram a cesta – uma ou duas horinhas de descanso. Ainda não entendi muito bem como funciona, mas se for almoçar muito tarde não rola. Aliás, costumeiramente nem se almoça, só se come um lanche. Então, acostume-se. E se for jantar, também jante cedo, porque depois das 22h (como é de costume aqui no Brasil) pode não ter mais nada.

6- Tem agua potável em todos os lugares: nas ruas, casas e restaurantes.

7- A cidade é limpa e super dog friendly, e eu achei o máximo. Cachorros podem entrar no trem, ônibus, bares e restaurantes. As pessoas são educadas o suficiente pra não deixar suas sujeiras e cuidar dos seus cachorros =)

8- Se puder coma Paella e arroz negro. Tem em muitos lugares, varia um pouco o preço mas é muito gostoso. Seguimos a dica de um amigo e comemos no Siete Puertas que é próximo ao bairro gótico e foi uma experiência bem saborosa.

9- Uma coisa que fizemos legal – e meio que fazemos em todas as viagens – foi ir no mercadão, comprar morangos  (que estavam divinos e custaram 2 euros a caixinha) e sentar no parque pra comer. Só paramos, vemos paisagem, vemos as pessoas e aproveitamos o tempo pra nós.

Snapchat-5035175978464789566

10- Coma churros! Diferente do churros daqui, os de lá são assados. Vende na rua recheado, mas se parar em algum cafézinho, vem um chocolate derretido pra mergulhar os churros. <3

Acho que é isso. Barcelona foi a cidade que amamos pelo transporte, limpeza, educação e carisma das pessoas. Mesmo com o frio e a chuva com que fomos recebidos, ainda volto pra passar mais uns dias por lá. Agora, surra de fotos:

Não perca semana que vem… Vou contar e mostrar algumas coisas que passamos e vimos em Berlim! Procura a tag #umlugaremaisnada no Instagram e acompanhe na página do Facebook também!

Férias!

Esse blog vai sair de férias a partir de hoje! Uhuu…. Amanhã, eu e o Fábio ficaremos cerca de 20 dias viajando por ai, e daí aproveitando o momento, vou tirar férias do blog também. Até podia programar uns posts, deixar algumas coisas prontas, mas férias são férias, não é mesmo?

Vamos fazer um mini tour pela Europa, começando por Barcelona, depois Berlim, Paris e por fim Amsterdam. A ideia é ficar uns 5 dias em cada lugar e turistar muito, conhecer além dos pontos tradicionais, alguns mais locais – contamos com ajuda de alguns amigos para isso – e falar com pessoas de lá, turistas, enfim, fazer uma viagem bem legal.

Reservamos hostel e Airbnb compartilhado para termos o máximo de contato com outras pessoas e com a língua e cultura – e claramente pra economizar também, porque o euro não tá fácil. Dessa vez, pensamos em um formato diferente de mapa, algo pra tirar um pouco o celular da gente e a tecnologia. Claro que vamos ter celulares e mapas em mãos, mas anotamos de um jeito mais divertido e bem feito a mão pontos para encontrarmos lá, o que fazer, onde comer… E na dúvida de encontrar, antes de sair pesquisando no Google, porque não perguntar pra alguém passando na rua?

Bom, acho que esse é o start, vamos terminar de fazer as malas e ir pra mais uma viagem – e quem sabe esse ano alcançar a meta de 12 viagens por ano? Beijos pra todo mundo e até a volta. Ah, mas pra quem quiser acompanhar a viagem, não deixe de acessar a página do blog no Facebook, o Instagram e o Snapchat: dayalima. To bem animada, então com certeza terá coisas da viagem por lá.

Café com aroma de mulher

Quem lembra daquela novela do SBT: Café com aroma de mulher?
Então, esse post não é sobre isso, é só sobre café mesmo. Mas eu lembrei desse nome quando estava pensando em café.

cafe coadoEu tomava café antes muito mais do que tomo agora, mas hoje posso dizer que tomo com mais qualidade. Comecei a tomar café quando comecei a trabalhar – porque será né? Um amigo meu dizia que era importante a “hora do cafézinho” para manter a socialização, e realmente isso tem um Q de verdade (ou V de verdade? não sei usar direito essa expressão). Mas normalmente nas empresas os cafés são muito ruins. Aqueles expressos de máquinas ou mesmo o sarrado do bule tem um gosto peculiar – e isso não é necessariamente bom.

Depois que “cresci” nesse mundo dos cafezinhos, descobri o prazer real de tomar um café gostoso, apreciar seus sabores, principalmente o cheirinho e aprendi sobre os modo de preparo. Com o tempo, passei a tomar café sem açúcar ou adoçante – o máximo de adultisse que alcancei na vida, me deixa – e a provar grãos e processos diferentes. E mesmo não tomando tanto café, experimentar grãos novos e sabores diferentes é bem legal.

cafe chemexHoje, tenho uma Aeropress em casa, moedor de café e grãos diversos. E também uma Nespresso que sempre me ajuda a acordar nos casos mais hards. E esses dias provei a Chemex, além do clássico filtro normal. Pra quem curte ou quer começar a provar, vou deixar a dica de alguns lugares em SP (mais precisamente – e sem querer – em Pinheiros) pra visitar:

  • Sofá Café – O Sofá Café nasceu em 2011, da ideia fixa de um engenheiro florestal que não conseguia passar um dia sem sua dose de cafeína. O conceito era simples: criar uma cafeteria com cafés especiais e servi-los em um ambiente que lembrasse o sofá de casa.

Loja Pinheiros: Rua Bianchi Bertoldi, 130
Loja CBB: Rua Ferreira de Araújo, 741
Loja Shopping Cidade Jardim: Food Hall Boston

  • Preto Café – Um lugar onde se pode escolher o valor daquilo que se consome, e onde os custos são transparentes. Que convida a participar de sua criação, cardápio e programação. Que valoriza a produção local em pequena escala, a autonomia e o aprendizado. Que busca formas criativas de causar menos impacto ao meio-ambiente. Que busca ser um espaço convidativo para uma pausa na rotina.

Rua Simão Álvares, 781 – Pinheiros

  • Torra Clara – Tudo começou com a vontade de trabalhar todos os dias sentindo o cheirinho de café fresco e, claro, de entregar em cada xícara um café muito especial! Regular a máquina do expresso, escolher o grão do dia, moer e compactar. A gente faz tudo isso com muito carinho para que os nossos clientes tenham a melhor experiência ao provar os nossos cafés, se inspirem e tenham um ótimo dia!

Rua Oscar Freire 2286 – Pinheiros

  • KOF – KING OF THE FORK – KOF é sigla para ‘King of the Fork’, referência ao conhecido KOM ‘King of the mountain’, prêmio dado ao ciclista que teve o melhor desempenho em uma subida.O garfo [fork] é o ponto em comum entre a bicicleta e comida.

Rua Artur de Azevedo, 1317 – Pinheiros

Curitiba

Esse carnaval assumi minha velhice – e minha falta de dinheiro – e fomos passarem Curitiba (leia o TI bem forte).

Mas o que tem em Curitiba?

Curitiba, assim como São Paulo é uma cidade sem praias, mas com parques, bares e cafés. Tem sua culinária, suas belezas de cidade grande e vários pontos turísticos. Pra conhecer, diria que uns 2 dias seriam o suficiente, mas para viver um pouco por lá, 4 foram bem gostosos.

Não vou falar muito do que fazer ou o que não fazer, mas montei um mini roteirinho do que fizemos, onde passamos ou onde pretendíamos passar, com dicas de parques, comidas, bares e onde ficar, daí é só clicar aqui.

Minhas impressões de CTBA em desenho

Minhas impressões de CTBA em desenho

De todos os lugares que andamos e passeamos (e não foram poucos), vou deixar aqui cinco pontos que gostamos muito e vale a pena visitar:

  • Rause Café e Vinho Até pra quem não gosta de café nem de vinho vale a visita. O rause é um lugarzinho aconchegante, atendentes simpáticos e um preço bacana. O cardápio é todo na parede e sempre é atualizado. Os doces ficam em exposição e estão sempre fresquinhos. Cafés dos mais variados tipos e modos de preparação – só perguntar pro atendente qual a recomendação que dá certo. E noite de vinho e petiscos!
  • Jardim Botânico – Se eu morasse em Curitiba ia lá todo final de semana. O lugar é bonito, bem cuidado, cheio de flores e de verde. Tinha alguns locais fazendo picnic por lá e senti um tico de invejinha, já que fomos só de passagem. Aconselho quem puder ir e passar uma tarde lá fazendo vários nadas a ir.
  • Farnell O Farnell é um restaurante supergostosinho. Tem um quintalzinho atrás e na frente as mesinhas comuns mesmo. É um pouco caro, ainda mais comparado a comida curitibana (barata em comparação a SP), mas vale a pena reservar uma tarde para comer o barreado de lá ou a Paçoca de Carne, que é excelente. Atendimento super carismático e comida deliciosa, garanto que sairás de lá rolando.
  • Barbaran – Não tem nada demais, mas acho que por isso que gostei muito. Bar simples, carinha de boteco, bem underground, e tem cerveja barata e comida gostosa. No dia que chegamos fomos lá, e gostamos. Simples e gostosinho, bem goodvibes. Ah, a comida é ucraniana – pra ficar mais legalzinho.
  • MON Tem nem o que falar. Parada obrigatória! Inspira, transpira, respira (nada a ver, ok) arte. Mais uma obra extraordinária do Oscar Niemeyer e todos os cantinhos são bem pensados. Dá pra passar algumas horas por lá, achei bem legal.

————

Além disso, Curitiba tem outros lugares maravilhosos a serem descobertos. Aviso de antemão que é bom levar um tênis, para desbravar a cidade caminhando. Outra coisa é que no verão lá é bem quente, então protetor é ultra bem vindo, e também o guarda chuva, pois assim como SP, as chuvas de verão são comuns. Outra dica é que nos feriados – e emendas – muitos lugares fecham (ao contrário do que acontece em SP) e aí não tem choro nem vela.

Deixo, por fim, o mapa com alguns dos pontos marcados que fomos e alguns que não fomos, mas fica a sugestão: