Mais um textão reflexão

Vez ou outra já ouvi meu pai contar sobre ter o sonho de ser desenhista. Ele adora desenhar, brinca de desenhar os colegas de trabalho, fazer caricaturas. Quando era pequena e desenhava, ele super me incentivava e era um momento que tínhamos em comum. Por causa dos filhos, da família e da sociedade, ele “precisava” de um emprego estável que garantisse o sustento da família e dinheiro para pagar as contas.

Já minha mãe conta que sempre quis ser professora. Ensinava as crianças do bairro desde quando ela também era criança. Talvez por conta da sociedade machista, ela teve oportunidade de se dedicar em um trabalho que não fosse o principal sustento da casa (sabemos muito bem que o salário de professor não é nada bom) e que ela amava.

Assim como meu pai, conheço outros vários pais, tios e avôs que não trabalharam no que de fato gostavam. E assim como a minha mãe, conheço outras tantas mães, primas e tias que fazem o que gostam. Não existe uma regra.

e5fe2872ee1270ba6174767a1db6a7f9O modo em que vivemos hoje nos trás muito mais oportunidades do que o modo em que vivia meu pai, tio, avô. As pessoas se casavam e tinham filhos mais cedo, o homem era obrigado a prover o sustento e trabalhar sempre, o hobby era completamente separado de trabalho. Hoje a geração X, Y, Z, baby boomers ou sei lá em qual mais existe, tem mais oportunidades para fazer e desfazer quando o assunto é profissão. Temos novas carreiras, temos novos planos, temos a opção de inventar outros empregos, tem-se o fator internet que muda e mobiliza tudo que precisamos.

Ainda existe a pressão dos pais e da sociedade para termos um emprego estável, uma carreira consolidada e um salário digno. Falar para as pessoas que seus sonhos são diferentes, suas ambições são menores e que você vai largar tudo pro alto pode ser tomado como uma grande afronta ou estupidez da sua parte.

Mas temos essa opção.

Digo isso pois sempre que ouço as histórias como a do meu pai, imagino uma pessoa que aguentou 30 anos de trabalhos tristes, sofridos e pesados. Vejo o brilho triste nos olhos e certo arrependimento de não ter feito o que desejava. Aqueles anos que se passaram foram perdidos e talvez seja tarde de mais para se fazer o que se ama (e na verdade não é).

E reflito constantemente, desde quando escolhi largar tudo que conhecia como profissão e começar do zero, completamente sem norte, vejo que ainda assim foi a decisão mais certa e mais feliz que tomei. Todos os dias tenho as borboletas no estômago, e ainda estou muito longe de ter algo concreto, de ter ou saber o que quero, mas mesmo assim me sinto feliz e realizada. Fazer o que eu gosto, ver que as pessoas gostam, acreditam e incentivam me faz mais do que realizada. Mesmo não ganhando 1/10 do que ganhava no trabalho anterior, a recompensa é muito maior, acredite.

E aí eu deixo a pergunta pra você agora: Você está feliz e recompensado pelo que está fazendo agora?

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Protected with IP Blacklist CloudIP Blacklist Cloud