Arquivo da tag: central park

The Apple City – Parte 1

IMG_20140801_214722Estava de férias nesses últimos dias e aproveitei desses dias majestosos e merecidos que são as férias para viajar. Dessa vez a cidade escolhida foi The Apple City, The Big Apple ou Nova York para os não tão íntimos rs.

Todo mundo ama NY, já que essa cidade representa mais do que uma cidade qualquer. Representa todas nossas lembranças de filmes, seriados, músicas, paixões… Quem nunca pensou em andar pela cidade e viver a vida da Carrie Bradshaw, ou ir no incrível Empire States do King Kong? Tocar o piano gigante que nem o Tom Hanks, no filme Big (Quero ser grande)?! NY é cinematográfica e a viagem não tinha como ser ruim. Era como se já conhecêssemos cada lugar, como se já tivéssemos ido lá.

Primeiramente, hospedagem: Airbnb. Já ficamos em vários ap’s em diversos esquemas diferentes no Airbnb aqui no Brasil, e arriscamos ficar em NY também! Não tem muito segredo, procuramos a hospedagem que cabia no nosso bolso e que fosse perto de metrôs. NY é rodeada de metrôs… Você consegue atravessar a cidade de metrô, ir pra praia, pro centro, pra dentro da ilha e fora da ilha, e isso é o máximo! Então qualquer hospedagem em qualquer lugar que tenha metrô perto, vai ser perfeito! Nada de luxos, afinal de conta, mal ficamos no quarto… Ficar na ilha de Manhattan é o ideal, mas ficar em Williamsburg ou no Brooklyn é bom também! Tem hospedagens mais baratas por lá, com metrô perto e o bairro também é tranquilo.

Ficamos 10 dias na cidade, mas com 7 dias você consegue conhecer todos os pontos, e com 5 dias você consegue ver os principais. Em 10 dias nos demos o direito de ir pra praia, de ir para o parque fazer picnic, compras e fazer tudo na paz e tranquilidade de umas férias…

Dia 01- Rockefeller Center,Toys ‘R’ Us e  Dallas BBQ

Chegamos as 8h e pegamos uma pesada fila na migração. Como não tínhamos contratado shuttle/traslado e não queríamos gastar com táxi, arriscamos e fomos de metrô. Sim, você vai se perder no metrô. Não é fácil, as vezes não é muito dedutivo, mas com o tempo vai se aprendendo… Ou se acostumando a se perder rs.

Almoçamos no Calexico – restaurante mexicano mara!- e fomos pro AP nos recuperar das 9 horas de viagem direto. Ai de noite, fomos conhecer o centro.. Passando pelo Rockefeller Center, que cada época do ano tem uma exposição diferente na praça, visitamos a loja de brinquedos Toys ‘R’ Us, que tem uma roda gigante dentro, miniaturas de Lego, super-heróis espalhados e muitos brinquedos/crianças/adultos se divertindo com tudo. A loja fica bem na Times Square, e aí não tem como não se maravilhar com a rua completamente iluminada, cheia de vida e de pessoas (muuuuuitas pessoassss!)

dia 01

NY é uma cidade 24 horas, e a Times Square x Broadway são a prova disso. Passamos milhões de vezes por lá e por vários horários diferentes, e sempre movimentada, sempre cheia de luzes e sempre cheia de “cinema” dentro dela! Um lugar lindo, que tem que ir, mas que depois, começa a ficar cheia demais pros passeios do dia-dia.

Fechamos a noite comendo no Dallas BBQ, um restaurante que tem uns drinks muito bons (tomamos piña colada – $9 o copo grande) e costelinha de porco com BBQ, frango assado com BBQ, tudo com BBQ! Uma loucura, muito bom e pratos bem servidos…

 

Dia 02 – Brooklyn Brewery, Friends, Sex and the City e The High Line

Depois de uma boa noite de sono, fomos visitar a cervejaria de NY (tem várias, mas essa é a mais famosa por aqui no Brasil), a Brooklyn Brewery. De fim de semana, a cervejaria oferece tour gratuito, e pra quem quiser ver na semana, o tour é cobrado ( $10 dólares com direito a degustação) e tem que ver a disponibilidade no site. Fomos no domingo, e conseguimos fazer a visitação na parte da tarde, tivemos que esperar um pouquinho, mas conseguimos visitar (ahh, o tour de fds é das 13h as 17h). Enquanto não dava nosso horário, ficamos no bar, que é um espaço imenso com banheiro, onde você pode degustar todas as Brooklyn’s (cada 5 fichas, $20).

dia 02

Saímos de lá, depois da visita e da degustação, e fomos visitar os dois pontos dos seriados que eu amo Friends e Sex and The City <3 Muita caminhada, mas chegamos nas faixadas da casa da Carrie e depois da casa da Monica, Rachel, Joey e Chandler! Mapinha da onde ficam os lugares aqui.

Algumas fotos depois e uma parada pra descansar da caminhada, fomos passar o final da tarde (que estava encoberta para ver o por do sol 🙁 ) no High Line – um parque construído na linha de trem abandonada pelos residentes que moram no bairro. Super bem cuidado, cheio de flores e pessoas passeando… Um ótimo lugar pra descansar no fim da tarde e esquecer um pouco da cidade no meio da cidade.

 

Dia 03 – Estátua da Liberdade, Wall Street, Pier 16, Grand Central e Magnólia Bakery

Reservamos a manhã pra ir na Estátua da Liberdade. Quando chegamos em NY o tempo estava com uma cara fechada, nebuloso e com garoa. Mas, passado o fim de semana, o tempo abriu e o verão nova-iorquino nos mostrou o que tinha de melhor: o sol! Um sol maravilhoso, quente e cheio de amor pra dar… Muito calor e muito turista! A época do verão também é época de férias por lá, e todo mundo quis começar a segunda-feira turistando e visitando a tal da Senhora Liberdade. Compramos o ingresso ($15) e pegamos o barco pra ir na ilha! A estátua da liberdade é pequena, mas a ilhota tem seu charme, e não tem como não imaginar filmes e séries passando por lá. Um passeio que todo turista tem que fazer! Passamos a manhã inteira por lá e aproveitamos também pra saborear um cachorro quente, desse de rua… Sem maionese, sem batata palha, mas nada sem graça. Pedimos de linguiça picante e super valeu a pena!

dia 03

Saindo de lá, passamos pelo touro de Wall Street, e como a cidade tava cheia de turistas, o touro estava cercado… Foi difícil, mas conseguimos passar a mão na bola do touro e agora só esperar a sorte aparecer! Ainda lá perto, fomos visitar o Pier 17, mas descobrimos que o pier está fechado para obras até 2016. Ficamos no Pier 16, que tem um barco de pirata, um clima agradável, uns trapézios de circo (com orientadores) e uma bela vista para o Brooklyn!

Ficamos vendo o entardecer por lá e antes que acabasse o dia, pegamos o metrô e fomos conhecer a Grand Center Station. E realmente, ela é linda.. Cheia de iluminação, teto desenhado e chão com piso brilhante, a Grand Center Station é um ponto que deve ser conhecido… A disparidade dela com as demais estações de metrô é tanta que vale ficar uns minutinhos lá dentro para conhecer.

dia 031

Andamos mais, comemos o pedaço pizza de $3 (vende em quase todas as esquinas e é muito bom!) e fomos até o Rockefeller conhecer a Magnólia Bakery… Padaria das meninas do Sex and the City e que vende um cupcake maravilhoso <3 Compramos de dois sabores, mas fica a dica: baunilha com chocolate é o melhor disparado!

Dia 04 – Rockefeller, LEGO, Top of The Rock, LOVE, FAO Shcwarz, 5 avenue, Rickys e Rudy’s

Já tínhamos visitado o Rockefeller Center a noite e visitamos de dia também! Tinha uma escultura meio “modernosa” (não entendi até hoje o que significa) e muitas pessoas andando por lá. Logo na frente do Rockefeller, tem a loja da Lego. Uma loja pequenininha que vende peças separadas, kits e tem um dragão feito de Lego que cruza a loja inteira. Depois da visitação, fomos ao que interessava: Top of the Rock.

dia 04

No Top of the Rock é possível ter uma visão da ilha de Manhattan inteira e dos edifícios Chysler e Empire States, do Central Park e até da Estátua da Liberdade. A entrada é bem salgada ($24) e ainda estou avaliando se compensa ou não pagar tudo isso.. Como já tinha pago, o jeito foi aproveitar a linda vista e passar umas horinhas por lá. É tudo bem construído para o turista, desde a recepção até o elevador.

Depois disso, fomos no big LOVE da cidade tirar umas fotos e encher o coração de amor, e depois disso uma passada na incrível loja de brinquedos FAO Schwarz. Cheia de doces, brinquedos, crianças e adultos se encantam com essa loja… Não tem como não voltar no tempo, ver Lego, Comandos em Ação, Barbie, Muppets Baby… E ver o Big Piano (que de Big só tem o nome)… A loja é bem legal e vale a pena ser visitada. Na mesma calçada, tem uma loja da Apple (a primeira loja) cheia de brasileiros comprando IPhone e de todo mundo usando wi-fi.

dia 041

Andando pela 5ª avenida e babando pelas vitrines caríssimas e chiquetosas, passamos por uma Rickys. Rickys é uma loja de cosméticos e vende tudo para cabelo que você precisar! O preço não é o melhor do mundo, mas comparado ao Brasil é maravilhoso! Entre cremes para cabelo, baby liss, chapinhas, esmaltes… Nos fundinhos das Rickys tem um sexy shop!

Fim de caminhada, fomos parar para molhar as palavras, pois o dia tava quente! Beber (e comer) em NY não é barato e procuramos (Google) um bar com a cara americana de ser e a preços que cabiam no bolso. Achamos o Rudy’s: bebida barata ($10, pitcher), pessoas jovens, clima agradável e cachorro quente de graça! Passamos a noite por lá, fizemos amizades e fomos embora cambaleando metrô adentro.

continua

The Apple City – Parte 2

Dia 05 – Central Park, Museu de História Natural, Brooklyn Bridge e Century 21

Um dia de ressaca, acordamos mais tarde e aproveitamos o finalzinho da manhã para visitar o Central Park. Antes de chegar lá, pausa para foto do globo do Planeta Diário rs. O clima de lá é outro: pessoas passeando, correndo, lendo livros, deitadas na grama.. As vezes de biquíni, as vezes de shorts mesmo. Um clima maravilhoso, com todo o ar puro e pura descontração. Como havíamos ido apenas pra conhecer, não passamos o dia por lá… Apenas exploramos o parque, andamos, conhecemos o centro, com um pequeno rio e pessoas andando de barco.

dia 05

No meio do parque (do lado de fora), fica o museu de História Natural, o único museu que escolhemos para ver, com muitas obras interessantes, ossos de dinossauros, planetário… Passeio pra meio dia, porém o museu fecha as 17h30, então tem que programar certinho. Saímos de lá e fomos pro Brooklyn em busca da Brooklyn Bridge… Lemos em mil lugares que a vista do Brooklyn pra Manhattan é mais bonita do que o contrário, então assim fizemos… Em 30 min dá pra atravessar a ponte, parar pra tirar umas fotos e chegar do outro lado sem morrer. Só tem que tomar cuidado para não atropelar ninguém e nem bloquear as faixas de ciclistas, mas tudo é bem sinalizado por lá.

dia 051

No final da ponte (andando mais uns 10 minutinhos), encontramos o “pote de ouro” das compras, no caso a Century 21, que é um outlet das marcas mais famosas (RayBan, Michael Kors, Tommy, Calvin Klein…) com preços e variedades bem bacanas! Vale a pena passar pelos seus 5 andares…

Dia 06 – BH, MAC, Victoria Secrets, Lincon Center e Juilliards

Resolvi trocar de celular, e fui a procura – o melhor jeito é comprar na Amazon só que precisava pagar em espécie, já que o cartão estava proibido. Fomos na Best Buy, mas o que pareceu uma boa ideia no começo, foi a pior das ideias… Pessoas mal-humoradas e celulares bloqueados pela operadora. Procurei na internet e achei a loja que vou levar pra minha vida. Uma loja meio bagunça cheia de judeus (todos de quipá, uma graça) e um atendimento excelente!

dia 06

Aproveitando a compra, andamos até a Victoria Secret’s que sempre tem cremes com preços bacanérrimos e passadinha na MAC pra comprar as makes (preço sempre mais em conta que no Brasil). Depois das paradas pra comprar, fomos no Lincon Center pra apreciar a vista nas suas fontes e depois ficamos largados no gramado da Juilliards – escola de dança famosíssima de filmes, séries, etc.

Pra fechar o dia de caminhada, fizemos uma parada no Junior’s para comer Cheescake (atendimento péssimo, mas cheescake ótimo!) e a noite fomos jantar em um restaurante Chinês na Chinatown, super tradicional e super baratinho!

Dia 07 – Coney Island,  e 5 guys

Como os dias estavam mais tranquilos, pois já havíamos feito todos os passeios que queríamos, tiramos um dia de folga e fomos a la playa! Coney Island e uma viagem no tempo, com seu parque de diversão e o maravilhoso Nathan’s e seu cachorro quente <3 Passamos o dia na praia, que é bem policiado, proibido bebidas alcoólicas e pessoas educadas. O pessoal jogando boomerang (entre outros jogos que não entendemos rs), respeitando espaço… Algumas fazendo top less. Todas com biquínis maiores do que o das brasileiras mais recatadas, então acostume-se com os olhares.

Ficamos na praia, comemos e passeamos pelo “calçadão”, de Coney Island até a Brighton Beach (praia ucraniana, mais reservada) e depois voltamos para a ilha para encontrar uma amiga. Depois de um dia de descanso, batemos um pouquinho de perna em torno no Union Square e fomos comer no 5 guys – hamburgueria com melhor batata frita e refil de refrigerante. Muito boa! 🙂

dia 07

Dia 08 – TKTS, Chinatown, Broadway, Union Square, Public Library e Dunkin Donuts

Acordamos cedo para conseguirmos comprar ingresso com desconto para um dos espetáculos da Broadway. Fomos andando e passamos pela Chinatown, tudo bem bonitinho, bem arrumadinho… Uma Liberdade de primeiro mundo rs. Pegamos umas dicas e descobrimos que o TKTS mais vazio é o do Pier 17 – o da Times Square é sempre muuuito cheio, e nesse do Pier 17 ficamos 30 minutos no máximo… E apesar do super desconto de 40%, ainda pagamos $80 por pessoa para assistir Chicago.

dia 071

Ainda lá nas regiões do Pier 17, estava rolando um Food Truck e uma sessão de cinema ao ar livre. Andamos mais um poucão em direção ao centro e fomos no Union Square (agora a luz do dia), curtir o parque, ver uns esquilos e ver gente. Estava rolando uma feirinha de comidas exóticas em volta da praça <3

Ainda andando por aí, fizemos algumas paradas no Soho Café, loja de lembrancinhas e no Dunkin Donuts – que vende donuts por $0.99, e se isso não é amor, não sei mais o que é. Tomamos café da tarde com rosquinha e fomos visitar a Public Library!  Gigante e não conseguimos ver tudo, mas tinha uma exposição para crianças que era uma fofurinha 🙂 Depois da visita, fomos para a Broadway para assistirmos o tão esperado show. Apesar de ter sido carinho, valeu cada centavo. Produção incrível, atores excelentes e estrutura de primeira… Se não tivesse ido em algum espetáculo, estaria incompleta minha viagem <3

dia 08

Dia 09 – Central Park, Flatiron Building e Forever 21

Nesse dia também queríamos descansar e aproveitar a vida como Nova Iorquinos! E nada melhor do que passar o dia ensolarado no Central Park. Fomos nos jogar na grama verdinha e bem preservada e fazer um mini picnic por lá! Todos fizeram a mesma coisa, e por lá encontramos de todo tipo de gente, fazendo picnic, tomando sol de biquíni, jogando vôlei, com os amigos, fazendo festa… Tem de tudo e é uma delícia!

dia 09

Levamos nosso lanchinho natureba (ou pelo menos tentamos), pegamos nossa canga de Copacabana e passamos a tarde deitados nas gramas verdinhas do parque. Prestando atenção em algumas conversas, nos comportamentos, no pôr do sol! Passamos o dia por lá e depois fomos andando para a Times Square.

E lá tem uma Forever 21 gigante e cheia de brasileiras, e acabei passando pra comprar umas peças e umas regatinhas de $ 2,00. (desaforoo). E de lá andamos mais um pouco pela Broadway com a 5 avenue até o edifício fininho, o Flatiron Building! Realmente fininho e bem na frente dele tem uma pracinha com um Shake Shack incrivelmente movimentado.

Depois disso, fomos tomar umas cervejas e começar a montar a mala pra voltar pra SP 🙁

Dia 10 – Big Gay IceCream e de volta a SP

Era o dia de ir embora e não tínhamos mais tempo (e nem dinheiro) para fazermos nada. Mas não poderíamos deixar de tomar um sorvete gostoso em plenos 30 graus da cidade da maçã. E lá pertinho de onde estávamos tinha um The Big Gay IceCream, uma sorveteria com um sorvete super delícia que vale a pena a visita!

Depois tomamos nosso caminho da roça, pegamos o metrô e fomos rumo ao JFK. Além de uma grande fila pra entrar na sala de embarque, passamos pelo DuttyFree e compramos perfumes e bebidas (como manda a tradição). O preço ainda compensa, mas não tem muitas variedades…

dia 10

Voltamos pra SP com a sensação de missão cumprida e com gostinho de quero mais. NY é uma cidade 24 horas e acho que todo mundo já cogitou morar por lá, e comigo não é diferente. Ver uma cidade funcional (quesitos transporte público, disponibilidade, restaurantes, lojas), com tudo que a gente precisa e mais um pouco, é querer ficar lá pra sempre – apesar de ser caro pra comer/morar!