Arquivo da tag: cozinha

mesa cheia, coração cheio e barriga cheia

fiquei um mês sem fogão, e não foi bom. cozinhar pra mim sempre foi uma válvula de escape. não estou falando de fazer o arroz e feijão de todos os dias, mas sempre que me sinto ansiosa e/ou preciso deixar a cabeça vagar por algumas horas, invento alguma arte (como diria a minha mãe). me perco nas receitas que tenho salvas em um caderno, fuxico alguns livros encalhados, misturo algumas receitas e faço alguns experimentos. nem sempre fica bom, mas são sempre horas que me alegram e me fazem bem.

na minha família, a cozinha sempre foi importante. as maiores lembranças que tenho são em volta da mesa, no café da tarde da casa da minha vó. a gente comprava pães, frios e minha vó fazia cuscuz – do nordestino – e a família se encontrava no final de semana. era conversa jogada fora, risadas, broncas, bagunças, tudo em volta da mesa da cozinha. mesmo depois de minha avó falecer, os encontros continuaram entre tios e primos, seja na hora do café da tarde ou num almoço de domingo. sem falar nos pratos de pirão de frango, do feijão apimentado que meu avô cozinhava, das laranjas que minha vó cortava e distribuía para a netaiada, a cozinha cheia de tarefas distribuídas nas vésperas de natal, a salada de fruta com mil mãos participantes, as receitas de gelatina que sempre davam errado, enrolar docinhos antes das festas de aniversário, fazer “pickles” para acompanhar a cerveja.

trouxe um pouco disso comigo. vira e mexe gosto de juntar alguns amigos em casa e fazer um café da tarde, ou um jantar, ou qualquer coisa que nos deixe em volta da mesa por algumas horas, conversando, rindo e trocando histórias. comida pra mim é alegria e poder compartilhar com quem a gente gosta é melhor ainda.

“a 100 passos de um sonho” junta duas culturas de dois mundos diferentes: o indiano e o francês. de um lado mostra toda a alegria, os laços, a resiliência e luta da família indiana e a sofisticação, arrogância e mal humor francês. além da comida que é o tema principal do filme, a história aborda as diferenças étnicas, a intolerância e ainda tem espaço pra um romance a la sessão da tarde. um filme leve, gostoso, com humor e clichês mas sem ser cansativo. perfeito para um domingo pós almoço.

“street food” é uma série do Netflix que impossível assistir de estômago vazio. e mesmo de barriga cheia, a série dá água na boca. cada capítulo conta uma história diferente com comidas de rua encontradas na Ásia. além de tudo, a imagem da gravação é feita de forma intensa, imagens da comida em câmera lenta, a comida sendo preparada, o fogo, os ingredientes e a história que nos tocam a alma, fazem com que a série seja deliciosa em várias camadas. a comida de rua é mais do que isso, é história, é tradição, é superação, é toda uma vida.

“kitchen stories” é um aplicativo que ultimamente me inspira a fazer receitas novas. bem fotografado, fácil usabilidade, dá pra criar receitas próprias, pra pegar receitas de colaboradores e claro, as receitas do próprio aplicativo. tem receitas para todos os níveis de dificuldade, tempo e ingredientes e tem vídeos de processos para ajudar nas receitas. (em inglês)

DIY Cozinha

20160725_155827-ANIMATION2016 é um ano de mudanças, e durante esse ano, estou renovando algumas coisas que já estão velhas (por assim dizer, porque de velhas, não tem nada). E uma delas é a decoração aqui de casa. Faz cerca de um ano e meio que nos mudamos e algumas coisas já mudaram de cara. Em um ano passamos a gostar de novas coisas e ter novas ideias e refletimos isso em alguns cômodos. O primeiro a ganhar cara nova de novo foi a cozinha.

Pra quem não se lembra, ou pra quem nem viu, quando mudamos a cozinha era completamente branca (olha só). Assim que mudamos, colocamos adesivos nos azulejos e na parede e demos uma nova cara, mas ainda assim achávamos ela muito branca. Daí resolvemos repaginar, porque não?!

Papel contact e um litrinho de tinta fosca preta e bastante inspiração, criatividade e um pouco de força de vontade. Queríamos muito uma parede de giz e aí pintamos uma parede que era praticamente branca. Os azulejos coloridinhos perdeu a graça e refiz tudo pra PEB, que deu uma carinha mais moderna, mais combinandinho e VOILÁ!

Sem muitos segredos, no gif aqui do lado tá o “passo a passo”. Só medir, recortar e colar.

Reformas assim são baratinhas e dá gosto de fazer. Ganhar uma cozinha nova sem gastar muito é sempre bom. Ainda falta a iluminação que vamos mudar um pouquinho, as cadeiras vão ganhar mais cor, mas aí fica pro próximo post. Galeria de fotos pra cozinha nova:

Ensopado de linguiça e batata

Muito do meu tempo pensando na vida ou me divertindo, tenho que confessar que acaba sendo na cozinha. Gosto de inventar pratos, de fingir que cozinho bem e fazer pratos diferentes. Assisto bastante programas de cozinha, como o da Rita Lobo (que dá dica de cozinha prática), do Olivier e do Rodrigo Hilbert (homem gato e que cozinha bem – J.e.s.u.s).

E nesse assistir, um programa dele me agarrou pelo estômago, por ser fácil e bem saborosa – parecia saborosa na TV, mas pessoalmente também era: Ensopado de linguiça e batata.

Ingredientes

  • linguiça de porco crua
  • todas as batatas que você tiver (baroa, doce, normal…. umas 3 de cada já dá)
  • 4 tomates picados
  • cebola picadinhas
  • alho picadinho
  • cheiro verde
  • bacon fatiado
  • Sal e pimenta a gosto

Como faz?

Primeiro cozinhe a linguiça por cerca de uns 15 minutos. Ela vai ficar feia para um caralho, parecendo você sabe o que, mas o que importa é o sabor. Depois que ela cozinhar deixa ela de lado, e vamos fazendo as outras coisas. Basicamente pica tudo (uii..). Pica as batatas – mas descasca antes, pica os tomates, pica o bacon, pica o cheiro verde, pica cebola e alho. Sabe a linguiça? Pica também, mas em pedaços grandinhos.

Aí pega uma panela e coloca só o bacon. Ele vai soltar uma gordurinha do amor, que não pode ser desperdiçada jamais, e aí com essa gordurinha refogue a cebola e o alho. Depois, joga a linguiça lá dentro e deixa ela dar uma douradinha.

Daí coloca as batatas, os tomates e o sal e pimenta. Coloca um copo de água e tampa, para que as batatas cozinhem bem – ninguém gosta de batata crua. Uns 20 minutos devem ser o suficiente, mas fica de olho! Depois de cozido, só jogar o cheiro verde por cima e dar uma misturadinha.

Gostoso, rápido e gostoso de novo. Dancinha da alegria de comer esse prato:

DSC_0108-ANIMATION

Se preferir ver no canal do Tempero de Família, só clicar aqui.

Comida Alemã

No ritmo do OktoberFest – aqui no Brasil, em Blumenau, é comemorado em outubro mesmo -, resolvi usar todas as minhas habilidades na cozinha (cara de pau e força de vontade) para fazer uma comidinha tipicamente alemã e poder harmonizar com algumas cervejas especiais. E mais uma ideia pra tag #30dias30ideias, que deu bem certo!

Tirei foto? Claramente que não, mas vou compartilhar a receita mesmo assim, porque deu bem certo e é bem facinha… Caso alguém queira ou pra registros culinários futuros.

20151009_131507

Prato do dia: Paprika schnitzel e spatzle

receita pro Paprika schnitzel

Carne

O normal é fazer com lombo de porco, mas eu fiz com picanha suína e ficou bem bom também. A receita pode variar, com frango ou carne, mas a original é carne de porco empanada. O tempero é a gosto, mas cebola, sal, salsa e pimenta sempre é uma boa pedida. Não tempere com nada forte para não cobrir o sabor do molho.

Molho

  • 1/2 l de creme de leite fresco
  • 4 colheres (sopa) de farinha de trigo
  • 1/2 xícara (chá) de água
  • 1 colher (sopa) de páprica doce
  • 2 colheres (chá) de páprica picante
  • 1 pitada de pimenta-do-reino branca
  • 1 colher (chá) de sal
  • salsinha picada para decorar

Mais fácil que isso não dá… Só aquecer o creme de leite em uma panela e acrescentar a farinha diluída em água aos poucos, pra não empelotar. Vai mexendo por cerca de 5 minutinhos. Aí só colocar a páprica doce, a picante, a pimenta e o sal. Continua mexendo, até engrossar. Aí só colocar sobre os filés de lombo e fim.

receita Spatzle:

  • 250 gramas de farinha de trigo
  • 2 ovos
  • 1 colher de chá de sal
  • 125 ml de água
  • sal e pimenta a gosto
  • 300 gramas de queijo mussarela
Pra metade da população que não tem cortador de spatzle

Pra metade da população que não tem cortador de spatzle

A receita original pede que todos os ingredientes sejam mexidos no punho (literalmente), mas como não é muito prático e estraga o esmalte dá pra mexer com colher de pau, desde que se mantenha uma constância. Depois que a massa tiver uniforme e com bolhas, deixe descansar por 15 minutos. Coloque uma água pra ferver, e quando estiver fervendo, começa a emoção. Minha família não é alemã e eu não tenho uma maquininha pra fazer os spatzles, então o jeito foi improvisar. Pra quem tiver escumadeira ou escorredor com furinhos grandes, vale a pena. Senão, um ralador com o “buraquinho” grande ajuda bastante. Aí só passar a massa pelos buraquinhos e jogar na água quente. Quando a massa subir, escorra ela e reserve. Depois de tudo pronto, esquente uma manteiga na frigideira e passe a massa para dar uma douradinha, aí é só servir.

E pra entrar no ritmo, uma música temática pra cozinhar junto (depois de algumas cervejas, já da pra fazer a coreografia):

#30ideias30dias

Mais um post pra tag #30ideias30dias e mais uma vez na cozinha… To achando que a cozinha tá me inspirando bastante nesses últimos tempos. Dessa vez a ideia do dia foi fazer: conserva de pimenta.

A gente tinha comprado pimenta dedo de moça e acabamos não usando tudo, então com o que sobrou aqui (e também pra evitar desperdício), resolvi fazer essa receita de conserva de pimenta que é super facinha e fica super gostosa. Vamos a receita:

Ingredientes:

  • Pimenta (eu usei dedo de moça, mas serve para qualquer uma);
  • Azeite;
  • Potinho de vidro;
  • Gelo.

20150818_173223

Primeiro de tudo: li sobre o medo de todo mundo falando sobre a má ou não esterilização do pote que a conserva será realizada, por risco de botulismo. Então o primeiro passo é esterilizar bem… Comece lavando com água e sabão e em seguida, deixe o pote em água quente por aproximadamente 15 minutos e depois deixe secar, de preferência em ambientes com pouco contato externo.

Depois, vamos começar a preparar as pimentas. Elas devem ser bem lavadas e deve ser retirado o cabinho. Em uma panela, com água fervente, deixe em torno de 1 minuto as pimentas. Coloque o gelo em um potinho, e assim que as pimentas forem retiradas da água quente, vão pro gelo. O que li sobre esse processo é que o “choque” vai realçar o sabor da pimenta.

20150818_173636Após tirá-las do gelo, deixe uma chapa (ou no meu caso, a frigideira mesmo) esquentando, e depois leve a pimenta para que ela seja levemente tostada. Retire e após esfriar, corte as pimentas em rodelas. Se preferir, pode colocar no potinho inteiras, mas como o meu pote era pequeno, e queria aproveitar bem, preferi cortá-las.

Depois disso, só colocar as pimentinhas no pote e completar com azeite. Feche bem o pote e leve pra geladeira. Não pode abrir antes de 1 semana, até porque a pimenta vai ficar curtindo no azeite e dar uma consistência e sabor mais enfatizado.

Fiz um passo a passo toscamente em vídeo, mas intensão foi boa:

Tem quem coloque alho, pimentas misturadas, sal ou louro… Mas preferi deixar do jeito mais rústico mesmo… Vai a gosto do freguês!