Arquivo da tag: dica

E teve mais uma tattoo

Antes de irmos embora do Brasil, eu e o Fábio estávamos com a ideia fazermos uma tatuagem. Pelos vários motivos que tínhamos em nossa cabeça, em nossas vidas e principalmente porque gostamos de tatuagem. Mas acontece que de uns tempos pra cá, fazer uma tatuagem bacana virou sinônimo pagar muito dinheiro. Não é ruim que as pessoas valorizem sua arte e cobrem pelos seus desenhos e trabalho, muito pelo contrário, mas acaba sendo inviável pagar no mínimo R$ 1000 em UMA tatuagem de cerca de 10 cm. Sim, em SP tá mais ou  menos esse preço e é preciso procurar muito pra achar um tatuador com um trabalho bacana e a preços que cabem no bolso.

Eis que na busca, reencontrei o tatuador que fez minha primeira tatuagem, o André. Como já conhecia o trabalho dele, foi mais fácil escolher. Combinamos um dia de ir no studio, conversamos sobre a ideia da tatuagem, conhecemos o studio que ele trabalha agora e fechamos um valor SUPER amigo <3 O André é um cara super tranquilo, combina um preço que cabe no bolso, tem o traço muito foda e umas ideias super interessantes. Eu gostei (mais uma vez) do trabalho dele e super indico o studio First Line (Rua Casa do Ator, 675, Vila Olimpia)

Como gostamos bastante, achei bom compartilhar, porque né!?
Agora, chuva de fotos da tattoo nova.

BTW, se alguém tem dica de algum studio deixa nos comentários, pois é sempre bem vindo! <3

Um pouquinho mais de Netflix

Acabou as Olimpíadas NÃÃÃÃOOOOO!!!
Sem mais jogos diferentes, sem mais torcidas para o Brasil, pro Bolt, pro Phelps. Não tem mais vôlei, basquete, salto, ginástica. Mas ainda temos o Netflix.

Nesse quase 1 mês de Olimpíadas, deixamos de lado nossas séries e deixamos de abrir o tão querido Netflix, confessa vai!? Então, para voltar a vida normal, nessa segunda feira de frio e chuvinha em São Paulo, deixo aqui poucas, mas de coração, dicas do que assistir no Netflix essa semana.

the_get_down2The Get Down

Essa é uma série nova do Netflix e é a nova queridinha depois da Strange Things – mas calma, tem uma pegada totalmente diferente. Ela retrata os anos 70/80 na cidade de NY, mais especificamente no Bronx e mostra o surgimento de um novo movimento musical, o hip-hop, o movimento dos grafiteiros, drogas, política e a vida de um grupo de adolescentes que vão se descobrindo no meio de todos os problemas e oportunidades que vão aparecendo. É uma série bem musical, bem realista e eu gostei pra caramba. Os episódios são de mais ou menos 50 minutos (com exceção do primeiro que tem 1h30) e super vale a pena assistir.

Cot_M4_UMAEcAhfLovesick

Outro original Netflix, mas totalmente água com açúcar. É uma série que conta a história de um cara que foi diagnosticado com clamídia e aí ele vai atras de algumas ex namoradas para contar que tem a doença. Nesses encontros e lembranças, alguns segredos do passado vão aparecendo e ele descobre sua verdadeira paixão. É uma série bem curtinha, tem apenas 6 episódios e cada um tem cerca de 20 minutos, então pra quem quiser uma série rapidinha antes de dormir, essa é a dica.

16556104_3Here comes the Boom

Esse é filme e é de comédia (que não costumo assistir), mas é uma comédinha bacana. Conta a história de um professor que ajuda a não fechar o departamento de música da escola em que trabalha. Nisso ele vira lutador pra ajudar a levantar uma grana e meio que vai dando certo. Não vou falar mais nada porque se não eu falo tudo, mas pra quem tá afim de um filme levinho, essa é a dica dessa vez.

nocauteNocaute

Esse também é um filme de luta, mas mais voltado pro drama, na verdade ele é só drama. Conta a história de um ex lutador que sofre uma tragédia e tem que se reerguer em frente a todos os problemas que aparecem. Conta uma história de superação, um drama familiar e de amizade. Não é um filmão, passaria no Tela Quente mas é gostosinho de ver. Tem o corpo saradasso do Jake Gyllenhaal que já vale a pena a assistida.

 

Curitiba

Esse carnaval assumi minha velhice – e minha falta de dinheiro – e fomos passarem Curitiba (leia o TI bem forte).

Mas o que tem em Curitiba?

Curitiba, assim como São Paulo é uma cidade sem praias, mas com parques, bares e cafés. Tem sua culinária, suas belezas de cidade grande e vários pontos turísticos. Pra conhecer, diria que uns 2 dias seriam o suficiente, mas para viver um pouco por lá, 4 foram bem gostosos.

Não vou falar muito do que fazer ou o que não fazer, mas montei um mini roteirinho do que fizemos, onde passamos ou onde pretendíamos passar, com dicas de parques, comidas, bares e onde ficar, daí é só clicar aqui.

Minhas impressões de CTBA em desenho

Minhas impressões de CTBA em desenho

De todos os lugares que andamos e passeamos (e não foram poucos), vou deixar aqui cinco pontos que gostamos muito e vale a pena visitar:

  • Rause Café e Vinho Até pra quem não gosta de café nem de vinho vale a visita. O rause é um lugarzinho aconchegante, atendentes simpáticos e um preço bacana. O cardápio é todo na parede e sempre é atualizado. Os doces ficam em exposição e estão sempre fresquinhos. Cafés dos mais variados tipos e modos de preparação – só perguntar pro atendente qual a recomendação que dá certo. E noite de vinho e petiscos!
  • Jardim Botânico – Se eu morasse em Curitiba ia lá todo final de semana. O lugar é bonito, bem cuidado, cheio de flores e de verde. Tinha alguns locais fazendo picnic por lá e senti um tico de invejinha, já que fomos só de passagem. Aconselho quem puder ir e passar uma tarde lá fazendo vários nadas a ir.
  • Farnell O Farnell é um restaurante supergostosinho. Tem um quintalzinho atrás e na frente as mesinhas comuns mesmo. É um pouco caro, ainda mais comparado a comida curitibana (barata em comparação a SP), mas vale a pena reservar uma tarde para comer o barreado de lá ou a Paçoca de Carne, que é excelente. Atendimento super carismático e comida deliciosa, garanto que sairás de lá rolando.
  • Barbaran – Não tem nada demais, mas acho que por isso que gostei muito. Bar simples, carinha de boteco, bem underground, e tem cerveja barata e comida gostosa. No dia que chegamos fomos lá, e gostamos. Simples e gostosinho, bem goodvibes. Ah, a comida é ucraniana – pra ficar mais legalzinho.
  • MON Tem nem o que falar. Parada obrigatória! Inspira, transpira, respira (nada a ver, ok) arte. Mais uma obra extraordinária do Oscar Niemeyer e todos os cantinhos são bem pensados. Dá pra passar algumas horas por lá, achei bem legal.

————

Além disso, Curitiba tem outros lugares maravilhosos a serem descobertos. Aviso de antemão que é bom levar um tênis, para desbravar a cidade caminhando. Outra coisa é que no verão lá é bem quente, então protetor é ultra bem vindo, e também o guarda chuva, pois assim como SP, as chuvas de verão são comuns. Outra dica é que nos feriados – e emendas – muitos lugares fecham (ao contrário do que acontece em SP) e aí não tem choro nem vela.

Deixo, por fim, o mapa com alguns dos pontos marcados que fomos e alguns que não fomos, mas fica a sugestão:

Enfim 30

Processed with VSCO with g3 presetAinda não tenho 30, mas vivo me perguntando se realmente a crise dos 30 anos existe. Meu namorado acabou de fazer 30 e aparentemente sem nenhum stress, mas acho que não tenho a mesma maturidade que ele teve. Como disse aqui antes, fazer aniversários depois dos 22 anos pra mim não era uma coisa boa, mas esse ano dei uma freada nessa negatividade e to tentando ver tudo de um jeito positivo.

Semana depois do meu aniversário, fui na Livraria Cultura e encontrei o livro da Jana Rosa e Camila Fremder, o Enfim 30. No livro elas tratam de uma forma mais leve a crise dos trinta, e sim meus amigos, ela pode existir… Tudo depende de como sua vida anda. No livro elas mostram dados, entrevistas e tiram muitas paranoias que temos nas nossas cabeças.

Fazer trinta anos é uma crise? Camila Fremder e Jana Rosa respondem: não precisa ser! Muito pelo contrário, os trinta podem e devem ser maravilhosos. Carreira, relacionamento, ter ou não ter filhos, saúde, vida social, tecnologia, moda, conjunções

Enfim, o livro mostra muita coisa que já deveríamos saber mas acabamos deixando nos levar por situações da vida e traz depoimentos de vários especialistas, em um conteúdo super atual, em uma linguagem simples e gostosinha – que fez eu devorar o livro em 2 dias. O único adendo é que é voltado mais para o público feminino (será que é porque é o mais noiado?) e aborda temas polêmicos nessa idade como gravidez, casamentos e astrologia.

Vale a pena a lida, mesmo se você ainda não tem 30 (como é o meu caso) e mesmo se você não está em crise. O meu comprei na Livraria, e por isso saiu um pouco mais caro (R$30), mas pela interwebs tá mais baratinho!

Airbnb

Amo viajar e isso não é novidade pra ninguém. Quando comecei a namorar o Fábio, a gente se comprometeu a fazer por volta de 12 viagens ao longo do ano. Ambos compartilhamos do mesmo desejo de descobrir novos lugares, de redescobrir lugares antigos, de sair de casa pra descansar e renovar nossas energias. E desde então, fazemos isso à 3 anos.

E é engraçado que todo mundo fala pra gente que viajamos demais, que sempre estamos fora e que invejam isso na gente. Não somos de família rica e muito menos ricos. Assim como vocês, trabalhamos e temos contas pra pagar, mas ao contrário de muita gente, não ficamos presos por isso. A gente viaja sim, e pra conseguirmos fazer isso 12 vezes no ano, a gente se planeja com bastante antecedência e aproveita das promoções!

Não é sempre que viajamos que ficamos em hotéis luxuosos (quase nunca, na verdade) e nas melhores localizações. Compramos passagem em promoção, com escala, em horários alternativos… Ficamos em Hostels, hotéis baratos, hotéis longes e agora descobrimos o Airbnb, que está nos dando mais possibilidades <3

O Airbnb é um site (e também tem app para android e iphone) que disponibiliza quartos ou apartamentos inteiros aonde você quiser ir. Você pode escolher no mapinha aonde quer ficar e o preço que quer pagar e aí filtra se quer a casa toda ou só o quarto… E claro, para nossa segurança, tem avaliações, descrição do dono da casa, o que pode ou não pode fazer, se tem bichinhos de estimação, etc..

O site é super intuitivo e bem organizado e não tem como se perder ou se sentir enganado. Dá pra entrar em contato com o anfitrião antes e conversar sobre a hospedagem, combinar o check-in/check-out e tirar dúvidas sobre as regras da casa.

Fomos no ultimo feriado pro Rio de Janeiro e como tudo foi planejado em cima da hora, acabamos arriscando no esquema do Airbnb e deu tudo certo! Combinamos com a anfitriã através de mensagens e chegando lá fomos super bem recebidas. Nossa estadia dava acesso a cozinha e lavanderia, e sempre tinha café da manhã. O apartamento era em Ipanema e localizado no posto 9, há uma quadra da praia. Pagamos R$ 450 reais em 3 dias de hospedagem no feriado para 2 pessoas. O preço x localização foi o mais barato ever e como o ap e a anfitriã foram bons também, o Airbnb nos fez cair de amores!

 

Tanto, que vamos passar mais um fim de semana no rio nesse esquema, pagar baratinho e ficar numa localização ótima! Minha irmã foi mais além, e ficou em um apartamento só pra ela e minha mãe em Nova York, por R$ 2.000,00 para 2 pessoas em 6 dias!

Para quem tinha dúvida de como economizar em viagens, essa dica vale ouro e pra quem quiser fazer o teste, vale super a pena! Recomendo pra todo mundo que curte viajar e não gastar muito. O legal de dividir a casa, que você acaba conhecendo novas pessoas, novos jeitos, novas culturas… mas o bom de não dividir é pagar baratinho, ter uma casa completa e ter liberdade pra andar pelado privacidade.