Arquivo da tag: livro

Desativei

Decidi ficar sem usar redes sociais por um tempo.
Não sei por quanto tempo.

Uma parte da decisão de deletar os apps (e não as contas, o que me permite voltar) foi porque me vi perdendo muito mais tempo do que eu imaginava, rolando a tela pra cima, vendo sei lá o que no Instagram, rindo dos vídeos de cachorro e gatinho no Twitter. Nessas de rolar a barrinha vez aqui, vez ali, só pra descansar um pouco entre uma tarefa e outra, só pra ver o que está acontecendo, só pra postar uma gracinha, fazer um comentário em algum post ou mostrar uma frivolidade nos stories. Cada um desses “só” somados, no final do dia davam cerca de NOVE HORAS por dia. NOVE HORAS, entre Instagram, Netflix, Facebook, Twitter, Spotify. Por um tempo tentei reduzir, mas ainda me senti incomodada com muitas horas dentro desse ciclo. O que eu poderia estar fazendo com essas horas? Talvez nada importante. Muito provavelmente na verdade. Mas achei que era uma coisa que eu poderia mudar.

Ai com isso na cabeça, ouvi um podcast sobre o assunto e cheguei no “Dez argumentos para você deletar suas redes sociais” -, me alertei de alguns males que estavam me fazendo, além da perca de tempo. Comecei a prestar atenção no conteúdo que eu venho consumindo e, talvez por até preguiça, aceitar as notícias que chegam até mim. Fora os vários perfis de perfeições e inutilidades que gastava um tempo danado que só faz a gente ficar ou triste ou pilhado e raras vezes inspirado. Depois de ver algumas dessas coisas, não consegui mais desver, e aí achei que era a hora de “desativar”

Com toda essa mistura e ideias na minha cabeça junto com o trabalho que venho fazendo na terapia, fez sentido pra mim sair das redes, mas principalmente dos três principais: Facebook –  que já fazia um bom tempo que tinha desinstalado, mas ainda passava pela versão web em dias de tédio-, Twitter  e Instagram. Ainda  mantive o Whatsapp, para manter o contato com as pessoas, mas saí desses grupos “de besteiras” que já não tinham mais nada a ver comigo e ficavam só no silencioso.

E agora?

Não vou me tornar um ser humano melhor por isso. Nem uma pessoa superior. É mais um processo de auto descobrimento que faz muito tempo que venho me preparando para isso. E nesse processo de me descobrir, vou ter que descobrir também o que fazer com essas horas “vagas”, achar novos meios de buscar informações e achar outras fontes de entretenimento. Enfim, agora é pegar esse tempo e esse olhar e olhar pra mim, pra me conhecer e criar novos hábitos. Já passou da hora de me conhecer e conhecer meus gostos, não é mesmo?

Sorteio do Livro “Sorte ou Azar?” [RESULTADO]

Faz um tempinho aqui que eu falei que um amigo escreveu um livro. Sim! – Não viu?, clica aqui e dá só uma olhadinha. O livro já está sendo vendido em alguns lugares mas na sexta feira, dia 16 de dezembro, vai ter o lançamento do livro na Livraria Martins Fontes (Avenida Paulista, 509).

Sabe aquelas histórias que você quer ler tudo de uma vez, se envolve com o personagem e até se identifica em algumas situações?! Então, o livro é assim. Envolvente, fácil de ser lido, história atual. O livro conta a história de um menino, o Pedro. E vai contando sua história, sua infância, suas experiências, suas influências, a primeira vez, seus amigos, seu mundo. Sorte ou Azar pode ser só uma questão de ponto de vista, mas também pode não ser.

Pra comemorar toda essa vitória, ganhei um livro pra sortear para o sortudo da vez! YAYYY
Muita sorte, não é mesmo!? Vai ser fácil, prático, rápido e rasteiro.
Só se inscrever no formulário abaixo e no dia 15/dez – um dia antes do lançamento aqui em SP, eu divulgo o vencedor.

Só pode se inscrever uma vez, então aproveita pra compartilhar nas redes sociais, com amigos e família 🙂

É HOJE! A estréia do livro tá acontecendo hoje na Paulista, então corre lá que ainda dá tempo! E o resultado do sorteio sai hoje. Era pra ter sido ontem? Era. Mas antes tarde do que mais tarde, né!?

Então, drama…. suspense… clima de tensão….

.

.

.

O vencedor é:

screen-shot-2016-12-16-at-19-14-43

sorteio

Sorte ou azar?

Um velho ditado diz que o segredo da felicidade está em ter um filho, plantar uma árvore e escrever um livro ao longo da vida (não necessariamente nessa mesma ordem). Pode ser verdade para alguns, pode ser mentira para outros, mas não vamos discutir isso. Um querido amigo resolveu tirar as ideias da cachola e escrever um livro, olha só! Escrever um livro é um desafio e tanto e não consigo nem imaginar como começar. Por isso me sinto mais do que na obrigação de divulgar mais do que um trabalho, um sonho do Filipe – o autor do livro Sorte ou Azar?.

Sobre o autor

sobre-o-autorFilipe Salomão é escritor por hobby – hobby de tentar colocar tudo o que não se deve falar no papel. Desde pequeno gosta de ler e tem como influências o mestre Stephen King (O Iluminado),  J. K . Rowling (Harry Potter),  Palahniuk (Clube da Luta) e Irvine Welsh (Trainspotting). Já escreveu de crônicas do cotidiano a contos de bruxas e sua primeira obra publicada Sorte ou Azar? choca o publico ao seu redor. Nasceu, cresceu e vive em São Paulo e além de escritor, toca bateria e atua como analista de sistemas.

Sobre o Livro

Esse livro não irá te emocionar, não irá fazer você refletir, não irá te surpreender. Pedro não tinha sorte, não nasceu em uma família de sorte, não tinha bons amigos, não tinha um bom emprego. Pedro não merecia nada de bom.

Sorte é ter um exemplo dentro de casa. Azar é seguir o exemplo errado.
Sorte é você fazer algo impulsivamente. Azar é você se arrepender disso. 

Nesse livro, você será apresentado a Pedro: um garoto que nasceu na família errada, no momento errado e com as influências erradas. Durante a narrativa de sua infância e juventude vivenciaremos com ele experiências como a morte prematura do pai, drogas, sexo, uma amizade um tanto quanto questionável com uma prostituta e um amigo com, digamos, mais sorte do que ele. Todas essas experiências mostrarão que sorte ou azar são apenas questão de ponto de vista.

Sorte é você ter um bom livro numa tarde chuvosa para ler.
Azar é ser esse o livro.

————————————————— ATUALIZAÇÃO ——————————————————-

screen-shot-2016-11-07-at-18-35-43LANÇAMENTO DO LIVRO EM SP – YAY!
Vai ser na LIVRARIA MARTINS FONTES, localizada na Av. Paulista, 509.
A partir das 18h30, no dia 16 de dezembro. Marca na agenda e chama amigos e família!
Pra saber mais do evento, clica aqui.

Enfim 30

Processed with VSCO with g3 presetAinda não tenho 30, mas vivo me perguntando se realmente a crise dos 30 anos existe. Meu namorado acabou de fazer 30 e aparentemente sem nenhum stress, mas acho que não tenho a mesma maturidade que ele teve. Como disse aqui antes, fazer aniversários depois dos 22 anos pra mim não era uma coisa boa, mas esse ano dei uma freada nessa negatividade e to tentando ver tudo de um jeito positivo.

Semana depois do meu aniversário, fui na Livraria Cultura e encontrei o livro da Jana Rosa e Camila Fremder, o Enfim 30. No livro elas tratam de uma forma mais leve a crise dos trinta, e sim meus amigos, ela pode existir… Tudo depende de como sua vida anda. No livro elas mostram dados, entrevistas e tiram muitas paranoias que temos nas nossas cabeças.

Fazer trinta anos é uma crise? Camila Fremder e Jana Rosa respondem: não precisa ser! Muito pelo contrário, os trinta podem e devem ser maravilhosos. Carreira, relacionamento, ter ou não ter filhos, saúde, vida social, tecnologia, moda, conjunções

Enfim, o livro mostra muita coisa que já deveríamos saber mas acabamos deixando nos levar por situações da vida e traz depoimentos de vários especialistas, em um conteúdo super atual, em uma linguagem simples e gostosinha – que fez eu devorar o livro em 2 dias. O único adendo é que é voltado mais para o público feminino (será que é porque é o mais noiado?) e aborda temas polêmicos nessa idade como gravidez, casamentos e astrologia.

Vale a pena a lida, mesmo se você ainda não tem 30 (como é o meu caso) e mesmo se você não está em crise. O meu comprei na Livraria, e por isso saiu um pouco mais caro (R$30), mas pela interwebs tá mais baratinho!

Não seja um adulto escroto!

Eu não fui uma dessas crianças que leu o Pequeno Príncipe na infância, e vi algum post no twitter que esse livro não é só pra criança, mas pra todo mundo e pra qualquer momento da vida. Tipo, você pode ler o livro criança, adulto, mais adulto, velhinho e tirará um significado diferente, uma lição diferente.

Fiquei pensando nisso, e como não tinha essa memória da infância, resolvi ler o livro de adulta mesmo e tirar as minhas impressões. A história do Pequeno Príncipe acho que todo mundo conhece, mas caso não é mais ou menos assim:

Um piloto cai com seu avião no deserto e ali encontra uma criança loura e frágil. Ela diz ter vindo de um pequeno planeta distante. E ali, na convivência com o piloto perdido, os dois repensam os seus valores e encontram o sentido da vida.

Daí você já vê que quando é criancinha, as lições que você tira já são diferentes das que você tira quando é adultinha. Eu não acho que é um livro pra criança ou eu não era uma criança que conseguiria digerir esse livro. Mas como adulta, nesse momento da minha vida, tirei muitas coisas a se pensar e para refletir antes de dormir.

apesar-de-parecer-um-chapeu-o-desenho-mostra-uma-jiboia-que-engoliu-um-elefante_

E chapéu por acaso tem olhinho?

Lições que aprendi com essa primeira leitura: Não seja um adulto escroto! E quando você lê o livro e identifica que é puramente verdade o que tá ali… Quando a gente vira adulto, a gente passa a dar valores pra um monte de coisa que de repente não é nem o que a gente quer de verdade, a gente passa a fazer coisas que nem sabe o que tá fazendo mas “tem que fazer”, a gente não enxerga mais o mundo com olhinhos puros e criativos porque não é normal pra um adulto ser assim. O adulto tem uma postura a zelar.

Fica lá acumulando milhões de estrelinhas e não tendo tempo pra fazer nada, sem sentido nenhum. Fica lá ascendendo e apagando lampião sem necessidade nenhuma e morrendo por causa disso. Fica lá querendo que todo mundo te elogie por qualquer motivo só pra tirar o chapéuzinho.

Adultinhos acham que a flor é qualquer flor, e não sabem ver o que a torna única, sabe porque? Porque adultinhos sempre tem que estar ocupados demais, sempre tem que estar sérios demais, sempre tem que estar fazendo alguma coisa que é muito importante pra você entender. E ai, sabe o que acontece na vida desses adultinhos? Nada… Porque os adultinhos não cativam ninguém, e ai ficam lá sozinhos, cada um no seu mundinho.

o-pequeno-principe-70-anos
Então, não sejamos adultos escrotos que nem os do livro. Vamos nos libertar dessas importâncias desimportantes, dessas tais obrigações e dessa necessidade de acumular valores ou elogios que não tem significado nenhum pra gente. Vamos ser adultinhos que prezam pelas amizades, pelos sentimentos e pelos nossos sonhos. A vida vai ser bem melhor… Vamos procurar o nosso “tesouro” e pelo amor de Deus, pra quem passar pelo deserto da Africa, procurar também o Pequeno Príncipe <3

“Os homens de teu planeta cultivam cinco mil rosas num mesmo jardim… E não encontram o que procuram. E, no entanto, o que eles procuram poderia ser encontrado numa só rosa,ou num poço de água.
Mas os olhos são cegos. É preciso ver com o coração.”