Arquivo da tag: vergonha

Karaokê

20141017_213655Já dizia o velho: “Quem canta, os males espanta”. As vezes só atrai mais males, afinal de contas são poucos os que tem uma voz encantadora. Mas, se tem uma coisa que me diverte – e diversão com certeza espanta todos os males – é ir no karaokê.

Normalmente o karaokê acaba sendo o segundo rolê, porque ninguém – ou quase ninguém – chega lá e já sai cantando todas as músicas que pode, mas as vezes é o primeiro rolê mesmo, e aí que aplicamos a única regra do karaokê: esteja bêbado. Se você for cantar, claramente tem que estar bêbado pra cantar aquela música vergonha do Reginaldo Rossi ou aquele som maroto do Raça Negra. Se você não for cantar, você tem que estar bêbado para estar naquele ambiente com bêbados cantando.

E ai sim, estando devidamente alcoolizado, naquele nível de “bebi o suficiente pra cantar, mas não o suficiente pra cair no palco”, cantar espanta sim todos os males. Basta escolher a música que te consagrará naqueles 3 minutos, e que as pessoas que ali estão vão compartilhar com você, com dancinhas e palmas. E quem sabe você não saia de lá ovacionado e já pensando na sua próxima música.

Karaokê sempre remete a boas risadas, músicas trash que vão ficar 1 semana na cabeça e snapchats engraçados beirando a vergonha alheia. É também um momento que você esquece as preocupações mundanas, não liga pros julgamentos alheios e deixa a vergonha de lado pra simplesmente aproveitar. Então, se você ainda não foi em um karaokê, vá.

Onde abunda nada falta (para homens)

Depois de mil anos sem postar uma bundinha por aqui, hoje tomei vergonha na cara e deixei a abundancia falar mais alto! Primeiramente para os homens, e aqui a pouco o retorno pra mulheres também… Com o tema de outono, já que o friozinho está batendo na porta, onde abunda nada falta, volta com mais uma edição das melhores bundinhas <3

bunda

Sobre estupro

Semana passada foi feita uma pesquisa super polêmica e com o resultado mais polêmico ainda, realizada pelo IPEA e divulgada pelo Estadão. O principal resultado da pesquisa trouxe que:

65% dos brasileiros acham que mulher de roupa curta merece ser atacada

Milhões de comentários e debates sobre essa pesquisa estão sendo debatidos em sites, na time line do Facebook, blogs, twitter.. E não tinha como ser diferente. Inadmissível viver nos dias de hoje com esse tipo de pensamento na sociedade.

Ninguém merece ser vítima do estupro. Ninguém tem culpa de ser estuprado. Aliás, a culpa é unica e exclusivamente do estuprador. É muito chocante que a maioria das pessoas achem que realmente a mulher tem culpa, que o jeito de se vestir e agir dá direito de acontecer um ato tão nojento, tão criminoso! Dá vergonha de ver que a pesquisa aponta as mulheres como erradas, que vivemos numa sociedade com o machismo tão enraizado e que as pessoas acreditam mesmo que há uma razão para o estupro. Apenas que, dá vergonha… Me faltam palavras pra expressar tamanha vergonha, indignação e tristeza que me dá quando o assunto é esse.

Vamos pegar os exemplos que temos em casa. Sua mãe, sua irmã, sua tia, sua filha. Se alguma delas sair com “a roupa certa para o estuprador”, quem tá errado nessa situação? Essa “cultura do estupro” tem que acabar! Ainda não me entra de jeito nenhum na cabeça que esse tipo de assunto é debatido no sentido inverso, que estamos caminhando pro contra, não estamos avançando em nada! Esse machismo nojento que ainda perpetua na sociedade tem que acabar. Nós mulheres não podemos mais viver com medo, as margens e ainda mais “ser culpada” por uma coisa tão inescrupulosa e sem sentido.

“Ahh é a roupa curta.. é o jeito… é o comportamento”. Não há justificativa, pois não faz sentido pra todo esse desvio de conduta que acontece na sociedade. Apareceu um alguém X com um artigo na Veja, falando que a pesquisa induz aos resultados, que fala que sobre ATAQUE e não estupro. Amigão, nenhuma mulher quer ser atacada. Não queremos receber cantada de pedreiros, mexidas na rua, ser agarrada na balada, tomar tapa na bunda e nem encoxada no ônibus. A gente quer respeito e dignidade, independentemente da roupa, do jeito, do comportamento. Porque isso não significa nada, isso não significa que a mulher pode ser julgada… E quando você faz isso, julga e a classifica como puta, despudorada, fala que ela “ta pedindo”, você faz parte dos 65% que está de acordo.

Foi lançado um movimento nas redes sociais  #EuNãoMereçoSerEstuprada, onde as mulheres aparecem nuas, da cintura pra cima e fotografam com uma placa cobrindo os seios a frase: “Eu não mereço ser estuprada!”. E nenhuma mulher merece mesmo… E sem mais palavras pra minha revolta, termino o post com as fotos do movimento e que sirva de reflexão para as pessoas que responderam essa pesquisa…

estupro